A triste situação do desperdício de alimentos

O desperdício de alimentos é algo lamentável em todo mundo. Em países europeus e na América do Norte, os dados são alarmantes. O que é possível fazer?

Milhares de toneladas de alimentos são jogadas no lixo. Calcula-se que o consumo anual de alimentos no mundo é de 375 milhões de toneladas e a maior parte dele provém das plantas.

10% deste alimento são vegetais consumidos in natura, outros 10% destes vegetais são de folhas e talos aproveitáveis na alimentação e são jogados fora. Há um desperdício de quase 4 milhões de toneladas em alimentos.

desperdício de alimentos

A quantia pode ser superior ou inferior, dependendo da região do planeta. Mesmo assim é um desperdício muito grande de alimentos. O descarte se dá em todas as fases da produção de alimentos, desde o seu plantio e colheita, até o consumidor final.

Desperdício de alimentos

Calcula-se que no Brasil, 20% de toda a sua produção agrícola se perde durante a colheita. Outro tanto se perde durante o transporte ou devido a embalagens inadequadas. Esta perda só não se compara aos países do primeiro mundo, onde ela é menor, mas há países que perdem até 70% de sua produção devido a causas diversas.

Tudo isso determina a incineração de milhares de alimentos devido à sua má conservação, deterioração ou contaminação por agrotóxicos. No CEAGESP do Rio de Janeiro, há um desperdício diário de 40 toneladas de alimentos. Outro fato que se deve destacar em relação ao Brasil é o de que existe uma lei que não permite que restaurantes distribuam as sobras de alimentos.

Não aqueles que sobraram nos pratos, mas os não-consumidos. Se isso fosse permitido, algumas toneladas de alimentos de boa qualidade e já preparados poderiam ser distribuídas entre as camadas mais pobres da sociedade. Muitos economistas e governantes justificam a fome pela densidade demográfica.

Para reverter a situação

Dizem que há muita população para pouco alimento. Se assim fosse, a África, com uma densidade demográfica média de 18 hab/km² não sofreria com a fome. A Europa com até 98 hab/km² , estaria com um sério problema de alimentação.

Outros alegam que há fome na África porque somente 30% de suas terras são produtivas. Essa tese também é invalidada se ela for comparada a Mônaco, um mini-estado onde não se passa fome. O fato é que na primeira não há poder de compra, enquanto na segunda esse poder é bastante grande. Há aqueles que dizem haver muita população para pouco alimento.

Portanto o problema da fome não é devido a nenhum dos fatos acima relacionados, mas político-econômico. O que podemos fazer para resolver de vez o problema do descarte dos alimentos?

Gostou? Compartilhe!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *